Guia para senhorios!

Atualizado: Jan 17



Como usar a caução para proteger-se de inquilinos incumpridores.






Quando existem situações de incumprimento num contrato de arrendamento, por parte dos inquilinos, há ferramentas que o senhorio pode acionar para se proteger. Uma delas é o uso da caução, prevista no artigo 1076° do Código Civil, como garantia ao senhorio. Neste artigo analisamos a forma como um proprietário pode fazer uso da caução para se proteger de inquilinos incumpridores.


Como se estipula o valor de caução?

O valor da caução, tal como explica o Doutor Finanças neste artigo para o idealista/news, deve ser definido no contrato de arrendamento, depois de acordo entre ambas as partes: senhorio e inquilino. Idealmente, o valor deve ser igual ou superior ao valor de uma renda (não confundir com a renda antecipada, que é “descontada” no(s) último(s) meses do contrato). No entanto, pode dar-se o caso de ambas as partes não chegarem a esse entendimento e o montante ficar abaixo daquele que está definido para a renda - o que não é recomendável.


Como pode o senhorio servir-se desta garantia?

A caução serve de garantia perante casos de:

· Incumprimento no pagamento da renda (aos quais acrescem 20% do valor em dívida, como indemnização);

· Reparações no imóvel ou equipamentos por estragos causados durante o arrendamento;

· Dívidas no pagamento de serviços, subscritos em nome do senhorio, que o inquilino tenha deixado de pagar.

Se o valor da caução for superior ao prejuízo causado, o remanescente deve ser devolvido ao inquilino. No entanto, em caso contrário, se a caução não for suficiente, o senhorio pode exigir o valor em falta.


Outras formas de evitar situações complicadas:

Além da caução, existem outras ferramentas que podem ajudar a prevenir situações mais complicadas com inquilinos incumpridores.


Antes de assinar contrato:

· Procura saber como foram as experiências com senhorios anteriores e o porquê de mudar de casa;

· Calcula taxa de esforço do inquilino para o pagamento da renda: não deve ultrapassar os Para obter essa taxa, pede, por exemplo, o modelo 3 da última declaração de IRS ou os últimos recibos de vencimento e faça o cálculo;

· Se houver à vontade para tal, pede o Mapa de Responsabilidades do Banco de Portugal, onde poderás encontrar as dívidas do inquilino a instituições financeiras e a forma como isso pode ou não afetar o cumprimento do contrato de arrendamento.


No próprio contrato, contempla:

• Um fiador, que se responsabilize pelo incumprimento do pagamento por parte do inquilino, caso aconteça; • Uma garantia bancária, em que em vez de ser uma pessoa a assumir a responsabilidade, como no ponto anterior, é o próprio banco que o faz, no caso de incumprimento e até um número máximo de rendas.

Sejas senhorio ou inquilino, tem em conta que a caução também está sujeita à emissão de recibo. Num cenário normal, deve ser restituída ao inquilino, que emitirá, por sua vez um recibo de quitação.

Nada como estar informado de todos os contornos e preparado para todos os cenários num contrato de arrendamento, para não ser surpreendido, porque apesar de indesejáveis, os casos de incumprimento existem mesmo.

Ao seu serviço..!


Promovemos relações de confiança


Autor: Idealista